À Roda da Noite Cadernos de Teatro ACERT #2
Autor
Ano de lançamento
2017
Exemplares
300
Preço
5 €

Cadernos de Teatro/ACERT representa o que se poderia chamar a memória em estado de espera, por constituir a memória viva de um percurso de 40 anos que teve e tem como principal característica uma dramaturgia em movimento: mais do que selecionar peças de teatro num repertório de teatro português ou estrangeiro, clássico ou de vanguarda, o Trigo Limpo teatro ACERT procurou construir de forma criativa os seus espetáculos, ora entretecendo textos de diversa proveniência, ora transformando cumplicidades com autores em dispositivos de criação dramática original. Dar agora forma de livro e letra impressa a esse percurso é reacender a memória quente e sentida do que foram estes anos de invenção da escrita nas tábuas do palco.

Mas Cadernos de Teatro/ACERT não é apenas uma memória: é, sobretudo, uma memória em estado de espera. Estes textos, publicados em forma de livro e lançados durante a última edição do FINTA, tornam-se agora acessíveis a todos os leitores que os queiram encontrar, mas e tornam-se igualmente disponíveis para grupos, companhias e associações que lhes queiram dar a oportunidade de novos partos, que o mesmo é dizer, a aventura de novas encenações num tempo muito diferente do que os viu nascer.

Autor
Ano de lançamento
2017
Exemplares
300
Preço
5 €

À Roda da Noite

Cadernos de Teatro ACERT #2

Um carro avariado na noite e cinco tripulantes que hão-de desdobrar-se em ouvintes e contadores de histórias são o ponto de par-tida deste À Roda da Noite, um texto de Mia Couto levado à cena pelo Trigo Limpo em 1993. Nas histórias que se vão desfiando, ou-vem-se alguns ecos vindos de Moçambique, episódios locais transformados em narrati-vas que se cruzam sem cerimónia, mas ouvem-se, antes de qualquer outra coisa, os sons e os sentidos da matéria comum da humanidade, gente com sonhos, medos, alegrias e algumas ilusões desfeitas.


À Roda da Noite, uma adaptação a partir de vários textos de Mia Couto, estreou em 1993 sendo o espetáculo do Trigo Limpo mais vezes levado à cena.

Ver também

Silka e A Partir do Preto