15 mai, 2015
sex
em cena Em memória ou a vida inteira dentro de mim Coprodução: Gambozinos e Peobardos com Trigo Limpo teatro ACERT Um monólogo às voltas com a memória e as memórias de que todos somos feitos
Classificação
Maiores de 12
Duração
55 minutos
15 mai, 2015
sex
Um monólogo às voltas com a memória e as memórias de que todos somos feitos

em cena

co-produção

em digressão

Classificação
Maiores de 12
Duração
55 minutos

Calendarização

15 mai
sex
00:00
Tondela  (Auditório 1)
16 mai
sáb
00:00
Tondela  (Auditório 1)
20 jun
sáb
00:00
Guarda  (Vela, Guarda)
21 jun
dom
00:00
Guarda  (Vela, Guarda)
07 nov
sáb
00:00
Palmela  (Teatro O Bando)
08 nov
dom
00:00
Palmela  (Teatro O Bando)
10 out
sáb
00:00
Mealhada  (Salão do Casino - Luso)
21 nov
sáb
00:00
Guarda  (Teatro Municipal da Guarda)
27 nov
sex
00:00
São João da Madeira  (Casa da Criatividade - S. João da Madeira)
30 jan
sáb
00:00
Gouveia  (Teatro Cine de Gouveia)
02 mar
qui
21:30
Albergaria-a-Velha  (Cineteatro Alba)
03 mar
sex
21:30
Lisboa  (Escola de Mulheres - Oficina de Teatro)
04 mar
sáb
21:30
Lisboa  (Escola de Mulheres - Oficina de Teatro)
05 mar
dom
21:30
Lisboa  (Escola de Mulheres - Oficina de Teatro)
26 mar
dom
15:00
Arganil  (Aud. Antiga Cerâmica Arganilense)
01 abr
sáb
21:30
Mortágua  (Centro de Animação Cultural)
01 abr
sáb
21:30
Arganil  (Aud. Antiga Cerâmica Arganilense)
07 out
sáb
21:30
Montemor-o-Novo  (Festival de teatro)
18 nov
sáb
21:30
Castro Daire  (Espaço Montemuro - Campo benfeito)
18 fev
dom
21:30
Fundão  (A Moagem - Cidade do engenho e das artes)
11 abr
qua
21:30
Vila Real  (14ª Vinte e Sete - Festival de Teatro)
27 mar
qua
21:30
  (Centro Cultural e de congressos de Angra do Heroísmo)

Em memória ou a vida inteira dentro de mim

Coprodução: Gambozinos e Peobardos com Trigo Limpo teatro ACERT

Bem-vindos.
Não se sentem sem dizer boa noite, não virem costas sem se despedirem. A porta está aberta. A memória está de porta aberta, à espera de mim. Não me deixem aqui sem vir ao meu encontro. Não se desprendam sem saber que já chegaram. Aconcheguem-se. Olharmo-nos é a certeza de que em tudo existimos. Se não for nada disto, não regressem. O tempo deve estar na hora. Reconheço que temos que partir, foi para isso que viemos, é assim que aqui estamos. Bem-vindos até ao fim. Em memória é uma criação dos Gambozinos e Peobardos – Grupo de Teatro da Vela, em coprodução com o Trigo Limpo Teatro Acert. Esta junção artística nasce de uma ligação afetiva que começou nos espetáculos comunitários que a companhia de Tondela dirigiu no Teatro Municipal da Guarda entre 2006 e 2012. Da amizade nasceu a vontade de uma colaboração que se manifesta aqui através das palavras de Vergílio Ferreira. Em memória é um monólogo de Pompeu José com encenação de António Rebelo e Pedro Sousa.

Ficha técnica e artística

Texto: Até ao Fim de Vergílio Ferreira
Dramaturgia e encenação: António Rebelo e Pedro Sousa
Interpretação: Pompeu José
Apoio à dramaturgia: João Neca
Cenografia: Zétavares
Desenho de luz: Paulo Neto
Figurinos: Adriana Ventura
12ª Criação dos Gambozinos e Peobardos – Grupo de Teatro da Vela em co-produção com o Trigo Limpo Teatro ACERT


Galeria de Imagens


Vídeo