15 fev , 2012
QUA
fora de cena Em viagem Uma peça aberta à participação comunitária que deixa pegadas artísticas por todos os locais onde passa No espetáculo entrecruzam-se diversas possibilidades de viajar sem sair do lugar, tendo como pano de fundo o imaginário aventureiro das Descobertas.
15 fev , 2012
QUA
No espetáculo entrecruzam-se diversas possibilidades de viajar sem sair do lugar, tendo como pano de fundo o imaginário aventureiro das Descobertas.

fora de cena

Calendarização

15 fev
qua
Mortágua  (Auditório Municipal de Mortágua)
11 fev
sáb
até
15
FEV
QUA
Mortágua  (Auditório Municipal de Mortágua)
21 nov
seg
até
24
NOV
QUI
Figueira da Foz  (CAE, na Figueira da Foz)
04 out
ter
até
05
OUT
QUA
Tondela  (Novo Ciclo ACERT, em Tondela)
13 ago
sáb
Paredes  (Centro Cultural de Paredes de Coura)
24 jul
dom
Ponte de Lima  (Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima)
01 jul
sex
Gouveia  (Cine-teatro de Gouveia)
24 jun
sex
Leiria  (Teatro Miguel Franco, em Leiria)
18 jun
sáb
Alcanena  (Cine-Teatro São Pedro, em Alcanena)
05 jun
dom
Seia  (Casa Municipal da Cultura de Seia)
28 mai
sáb
Estarreja  (Cine-Teatro de Estarreja)

Em viagem

Uma peça aberta à participação comunitária que deixa pegadas artísticas por todos os locais onde passa

Na senda da vertente comunitária subjacente à atuação do TRIGO LIMPO, “Em Viagem” conta com a participação de pessoas e entidades em todos os locais de apresentação. No palco juntam-se, assim, os membros da ACERT e os elementos envolvidos localmente, marcando a abertura do Teatro à comunidade.

“…e fomos até ter vista da ilha, mais por teima que por outra coisa, e não achámos saída; e não achando saída fizemos um bordo de sudoeste para a contrabanda donde viemos, onde andámos quinze dias sem poder sair com muita chuva, vento e frio.”
In História Trágico-Marítima

Um casal (que faz talvez lembrar os antigos Descobridores) parte em viagem e depara-se com uma encruzilhada. Devemos estar a chegar – disse o homem. E continuaram. Devemos estar enganados. Devemos ter vindo por um caminho errado – disse a mulher. Com certeza que nos enganámos no caminho. O que é que vamos fazer? Seguir em frente. E seguiram… Numa sucessão de enganos, chegam a diversos sítios, mas continuam a perder-se e não encontram o caminho de regresso.

- - - - -

Na senda do percurso criativo do TRIGO LIMPO teatro ACERT, marcado por uma forte ligação à comunidade, “Em Viagem” integra pessoas e entidades de cada um dos locais de apresentação. O Teatro abre-se assim à participação comunitária, partilhando conhecimentos técnicos e artísticos pelas localidades por onde passa.

A apresentação final junta, assim, no palco a companhia ACERTina e os elementos envolvidos localmente (criadores, associações, grupos amadores, corais, entre outros intervenientes indicados pelos promotores locais). Nos três dias que antecedem o espectáculo têm lugar duas oficinas com vista à integração dos participantes: uma de movimento e interpretação e outra de construção cenográfica e adereços.

O espectáculo baseia-se numa narrativa dramatúrgica onde se entrecruzam os contos “A Viagem”, de Sophia de Mello Breyner Andresen, e “História Trágico-Marítima”, de Bernardo G. de Brito.


Oficina de Movimento e Interpretação
Aliando a técnica de clown a noções básicas de movimento, são recriadas as cenas do espectáculo nas quais os participantes na Oficina estarão envolvidos.

Oficina de construção cenográfica e de adereços
Através de uma técnica que utiliza a cana, o vime, a fita de papel, o papel, a cola branca de madeira e a tinta de água — já largamente experimentada e desenvolvida nas construções cenográficas do grupo — é possível criar formas espectaculares para posterior utilização cénica, desde máscaras e pequenos adereços a grandes elementos.

Ficha técnica e artística

Texto a partir de “A viagem” de Sophia de Mello Breyner Andresen; “História Trágico-Marítima” de Bernardo G. de Brito;
“Poema dos Náufragos Tranquilos” de Emanuel Félix

Dramaturgia – Colectiva
Encenação – Pompeu José
Música – A Cor da Língua/Trigo Limpo teatro ACERT (Carlos Peninha, José Rui Martins, Lydia Pinho, Luísa Vieira, Miguel Cardoso e Rui Lúcio)
Cenografia e Design Gráfico – Zé Tavares
Assistência de montagem – João Nascimento
Figurinos – Ruy Malheiro
Confecção de figurinos – Svetlana Molchanova
Interpretação – Ilda Teixeira, Pompeu José, Raquel Costa, Ruy Malheiro, Sandra Santos e participantes locais
Sonoplastia – Luís Viegas
Gravação em estúdio e masterização – Cajó Viegas
Desenho de luz e técnico de luz e som – Paulo Neto
Serralharia – Rui Ribeiro
Carpintaria – Carmoserra
Latoaria – Eduardo Coelho
Técnicos de apoio – Rui Ribeiro e Zito Marques
Fotografia – Carlos Fernandes
Laboratório de interpretação (actores) – Ana André, Carlos Rodrigues, Eduarda Figueiredo, Jorge Nascimento, Luís Henriques, Mané Monteiro, Orlando Pinto, Ricardo Ventura e Susana Alves
Estagiários – Ana Almiro, Pedro Pinheiro e Tânia Moura
Formação local - Ilda Teixeira, Pompeu José, Raquel Costa, Sandra Santos
Coordenação produção local – Raquel Costa e Ruy Malheiro
Produção geral – Marta Costa

Espectáculo co-produzido em parceria com Cultrede/Cultideias e os municipios de Paredes de Coura, Ponte de Lima, Estarreja, Seia, Alcanena, Leiria e Gouveia.