26 mar , 2011
SÁB
fora de cena dona pura e os camaradas de abril Trigo Limpo teatro ACERT/ Teatro das Beiras Um espectáculo onde se fortalecem cumplicidades artísticas alimentadas por um longo percurso de afinidades
Classificação
Maiores de 12
Duração
70 minutos
26 mar , 2011
SÁB
Um espectáculo onde se fortalecem cumplicidades artísticas alimentadas por um longo percurso de afinidades

fora de cena

co-produção

Classificação
Maiores de 12
Duração
70 minutos

Calendarização

26 mar
sáb
Tondela  (Auditório 1)
24 mar
qui
até
25
MAR
SEX
Tondela  (Auditório 1)
11 mar
sex
até
18
MAR
SEX
Tondela  (Auditório Teatro das Beiras, Covilhã)

dona pura e os camaradas de abril

Trigo Limpo teatro ACERT/ Teatro das Beiras

Dona Pura e os Camaradas de Abril

Germano de Almeida em “Dona Pura e os Camaradas de Abril”, da Colecção Caminho de Abril, lançada pela Editorial Caminho para assinalar o 25º Aniversário do 25 de Abril de 1974, dá-nos uma visão particular dos acontecimentos dessa época, em Lisboa.

Um jovem cabo-verdiano, aluno universitário, vem estudar para Lisboa e com a ajuda de seu primo Natal (que actualmente festeja o 25 de Abril a 25 de Setembro) consegue alugar um quarto, em Campo d’Ourique, na casa de D. Purificação, também ela natural de Cabo Verde. Dona Pura, como lhe chamam, vivia com uma das filhas e também com o último marido, o Sr. Firmino, de quem no entanto informa estar separada dentro de casa.

Um dia Dona Pura bate à porta do quarto do jovem estudante a perguntar se tinha o rádio ligado, estava a passar-se qualquer coisa, porque apenas uma emissora estava no ar e a tocar só música da tropa, marchas militares, e havia um bocado tinham pedido para as pessoas não saírem à rua…

O jovem abriu o aparelho de rádio que tinha no quarto e ficou à espera.

Depois da falhada tentativa de 16 de Março não pareciam muitas possibilidades de derrube do fascismo pela força, tanto mais que, fracassada aquela investida, certamente que o poder teria reforçado a vigilância e as acções no sentido de manter as forças armadas debaixo do domínio político.

E como se lhe tivesse adivinhado os pensamentos, o Sr. Firmino saiu do seu quarto, ainda em pijama, e veio postar-se junto da porta do dele, debitando sentenças:

– Já ouviu o que está a passar-se?

Numa narrativa bem-humorada, iniciada pelo discurso directo do jovem estudante, são revividos em cena, através da visão particular destes seus espectadores, alguns dos acontecimentos da Revolução dos Cravos.


Residência artística10 a 14 de Janeiro
21 a 25 de Fevereiro
Novo Ciclo ACERT

Os bastidores desta criação conjunta do TRIGO LIMPO/Teatro das Beiras escondem-se na sede ACERTina. O Novo Ciclo acolhe o trabalho de ensaios e de produção deste espectáculo, cuja segunda fase decorrerá na Covilhã, casa do Teatro das Beiras.

Ficha técnica e artística

Texto – Germano de Almeida
Dramaturgia e Encenação – Pompeu José
Assistência de Encenação – Pedro da Silva
Interpretação – Fernando Landeira, Pedro da Silva, Rui Raposo Costa e Sónia Botelho
Cenografia – Zétavares
Figurinos - Ruy Malheiro
Desenho de Luz – Paulo Neto
Sonoplastia – Luis Viegas
Produção – Teatro das Beiras e Trigo Limpo teatro ACERT
Fotografia – Carlos Fernandes
Desenho Gráfico –Zétavares
Carpintaria – Carmoserra
Apoio – João Nascimento, Rui Ribeiro e zito Marques
Operação – Jay Collin

82ª Produção do Teatro das Beiras
89ª Produção do Trigo Limpo teatro Acert

Estreia: 11 de Março de 2011, 
no Auditório das Beiras, Covilhã


Galeria de Imagens