16 nov , 1995
QUI
fora de cena Cantos & Ditos Trigo Limpo teatro ACERT
16 nov , 1995
QUI

fora de cena

Calendarização

16 nov
qui
01:00
Viseu  (Café da Ópera)

Cantos & Ditos

Trigo Limpo teatro ACERT

O Espectáculo
Assiste-se a recriação de alguns dos temas da Ópera do Bandoleiro, seguindo-se um percurso pela música popular portuguesa, africana, brasileira e latino-americana, entrosada com poesia e textos de autores contemporâneos ditos por José Rui, com forte componente teatral.
José Afonso, uma presença de sempre no percurso deste grupo, marcará alguns dos temas musicais e poéticos do espectáculo.
Reflexo de um trabalho anteriormente desenvolvido nos trabalhos musicais criados por Carlos Clara Gomes e editados por o Trigo Limpo teatro ACERT, este espectáculo prosseguia a linha dos trabalhos anteriores. Sendo enriquecido com a inclusão de novos textos de autores contemporâneos e a interpretação de músicas criadas por Carlos Clara Gomes para vários espectáculos teatrais do grupo, especialmente os temas de “Os Cavaleiros” de Aristófanes.
Esta formação foi também o suporte musical da apresentação de “Opera do Bandoleiro”, percorrendo todo o país e efectuando uma digressão a Moçambique onde trabalhou em conjunto com músicos desse país, tendo efectuado oficinas musicais com a Associação de Músicos Moçambicanos”.
Este espectáculo contou com a participação dos músicos Augusto Cameirão, Adelino Soares e Carlos Peninha e Gonçalo Almeida, sendo de Carlos Clara Gomes a direcção musical e a encenação de José Rui Martins.

Ficha técnica e artística

Estreia 16 de Novembro Café da Ópera, Viseu

Texto Vários autores
Encenação e interpretação José Rui Martins
Músicos Adelino Soares, Augusto Cameirão, Carlos Clara Gomes, Carlos Peninha e Gonçalo Almeida
Direcção musical Carlos Clara Gomes


Texto do encenador

A música constituiu sempre para o TRIGO LIMPO teatro ACERT um vector importante na criação teatral. Logo no seu primeiro espectáculo, em 1976, houve a preocupação de estudar formas de intervenção musical que possibilitassem uma maior operacionalidade teatral.
A edição do disco “ Assi se fazem as cousas - o teatro feito música”, em 1992, da autoria do director musical do grupo, Carlos Clara Gomes, inicia uma nova fase de trabalho, constituindo um importante marco na actividade do grupo.
Este trabalho incidiu sobre temas musicais criados para vários espectáculos teatrais do grupo, contando na gravação com a participação de músicos e intérpretes convidados.
Este projecto surge também como resultado de uma acção iniciada no âmbito da ACERT em 1989 por José Rui e Carlos Clara Gomes que consistia na divulgação da música portuguesa e da poesia e textos de autores contemporâneos, continuada pelo grupo FURA FURA / ACERT que, com diversas formações, percorreu o país e estrangeiro até 1993 na apresentação de centenas de espectáculos.
Em 1994, como acção integrada no “Cumplicidades - Mostra das Artes do Nordeste do Brasil em Portugal” e numa produção conjunta com a Cooperativa Cultural GESTO (Porto) é editado um novo projecto, também da autoria de Carlos Clara Gomes - “Ópera do Bandoleiro”, subordinado às temáticas adjacentes aos percursos de Zé do Telhado e de Lampião, míticos e místicos protagonistas das odisseias de bandoleiros portugueses e nordestinos.
Foi escrita uma obra de ficção destinada a conferir enredo ao trabalho, colando a história das duas figuras numa perspectiva musical com uma forte componente teatral.
A participação do TRIGO LIMPO teatro ACERT sublinha o carácter teatral deste projecto, destacando-se também o encontro e a feliz prestação do QUINTETO VIOLADO (Nordeste/Brasil) e da BRIGADA VITOR JARA no enriquecimento musical deste trabalho.

José Rui Martins