17 nov , 2011
QUI
fora de cena A caixa preta Texto de José Eduardo Agualusa e Mia Couto José Eduardo Agualusa e Mia Couto repetem a experiência de escrever em parceria para a Companhia ACERTina, numa criação elaborada a partir do conto Eles não são como nós, do primeiro autor.
17 nov , 2011
QUI
José Eduardo Agualusa e Mia Couto repetem a experiência de escrever em parceria para a Companhia ACERTina, numa criação elaborada a partir do conto Eles não são como nós, do primeiro autor.

fora de cena

Calendarização

17 nov
qui
Viseu  (Esc. Sec. Alves Martins, em Viseu)
16 nov
qua
Viseu  (Esc. Sec. Alves Martins, em Viseu)
15 nov
ter
Viseu  (Esc. Sec. Alves Martins, em Viseu)
15 out
sáb
Penafiel  (Integrado no festival "Escritaria", Penafiel)
17 set
sáb
até
18
SET
DOM
Coimbra  (Oficina Municipal de Teatro - O Teatrão, em Coimbra)
26 ago
sex
Setúbal  (Festival Fontenova, em Setúbal)
30 abr
sáb
Lousada  (Festival FOLIA - Lousada)
05 mar
sáb
Tondela  (Festival de Teatro do Cénico de S. Joaninho)
12 fev
sáb
até
13
FEV
DOM
  (Centro Dramático Galego, Santiago de Compostela)
22 jan
sáb
Seia  (Casa Municipal da Cultura de Seia)
20 jan
qui
Chaves  (Cine Teatro Bento Martins, em Chaves)
30 nov
ter
Tondela  (Auditório 2)

A caixa preta

Texto de José Eduardo Agualusa e Mia Couto

O Trigo Limpo teatro Acert estreou, na abertura do FINTA 2010 – Festival Internacional de Teatro Acert, um novo espectáculo de teatro com as três actrizes da Companhia, Ilda Teixeira, Raquel Costa e Sandra Santos, baseado num texto, escrito a propósito, por José Eduardo Agualusa e Mia Couto.

O percurso criativo do Trigo Limpo é marcado pela adaptação de alguns textos de Mia Couto de que resultaram os espectáculos de teatro: “à roda da noite” em 1993, “Vinte e Zinco” em 1999, “O que a Mia disse ao Couto” em 2000 e “Miango” em 2004. Daqui surgiu uma relação muito especial com o escritor e o seu país natal, Moçambique, que hoje se estende a todos os pontos cardeais e envolve um grande número de pessoas.

José Eduardo Agualusa conheceu o trabalho da ACERT na sequência de um convite para participar numa das edições do Festival d’ Agosto, em Maputo, dando início a uma proximidade que não mais parou de crescer.

Desta teia de relações José Eduardo Agualusa e Mia Couto fizeram, em 2007, a primeira experiência de escrita a duas mãos com “Chovem amores na Rua do Matador”, um texto inédito escrito para o Trigo Limpo teatro Acert no âmbito do projecto Interiores. Mia Couto referiu na altura, para o catálogo do espectáculo:

“(…) Para nós a escrita é fonte de encantamento, um brinquedo para a fabricação de outros que somos nós. Ambos lutamos para despir a literatura das suas vestes solenes e do seu tom sério e cinzento. Escrevemos para reconquistar a ingenuidade da infância, para surpreender a palavra no seu estado de infância.
Fui tudo isso que fizemos com este texto a duas mãos. Mais do que produzido a duas mãos, foi feito a duas almas. (…)”

Em 2009 o Trigo Limpo estreia “Vila Cacimba”, adaptação a teatro do romance de Mia Couto “Venenos de Deus, Remédios do Diabo”.

Entretanto ao convidarmos José Eduardo Agualusa a escrever um novo texto para o Trigo Limpo ele prefere repetir a parceria com Mia Couto e propõe-nos escreverem, mais uma vez a duas mãos, uma dramaturgia a partir de um conto seu, “Eles não são como nós” do livro “Fronteiras Perdidas – contos para viajar”. A ideia é, subvertendo o conto, criarem um texto sobre a necessidade, ou não, do esquecimento. E sobre as muitas máscaras que cada um de nós utiliza.

José Eduardo Agualusa referia aquando de “chovem amores…” que “(…) Trabalhar com o Mia foi como conversar com ele, muitíssimo divertido e gratificante. Nem sei se a isto se pode chamar trabalho. Não por certo segundo a acepção original da palavra (que significava torturar alguém com um tripalium, um instrumento com três pés).
Eu chamo-lhe amizade.”

O Trigo Limpo teatro Acert tem assim o privilégio de apresentar um espectáculo baseado num texto de José Eduardo Agualusa e Mia Couto, dois amigos e dois dos mais importantes escritores de língua portuguesa.

Ficha técnica e artística

88ª Produção do Trigo Limpo teatro Acert

Texto
José Eduardo Agualusa e Mia Couto
Dramaturgia e Encenação Pompeu José
Interpretação Ilda Teixeira, Raquel Costa e Sandra Santos
Cenografia Zétavares
Desenho de Luz e Sonoplastia Luís Viegas
Técnico de luz e som Paulo Neto
Figurinos Colectivo
Adereços João Nascimento
Carpintaria Carmosserra
Fotografia Carlos Fernandes e Zetavares
Registo vídeo Zito Marques
Produção Marta Costa


Estreia - 30 de Novembo de 2010
Espectáculo de Abertura do 16º Finta


Galeria de Imagens