28 nov
sáb
19:30
Nu palco Jorge Fraga Um bicho-carpinteiro do teatro sempre irrequieto e irreverente.
Preço
Preço: 5€ / Associados: 3€ / Descontos: 4€ / Desempregado: 2,50€
Bilhete de família disponível
28 nov
sáb
19:30
Um bicho-carpinteiro do teatro sempre irrequieto e irreverente.

Nu palco

Preço
Preço: 5€ / Associados: 3€ / Descontos: 4€ / Desempregado: 2,50€
Bilhete de família disponível

Calendarização

28 nov
sáb
19:30
Tondela  (Auditório 2)

Jorge Fraga

Espetáculo cancelado

Chegou a Viseu em 1976. Fundou, conjuntamente com São José Lapa, Alberto Lopes e António Cruz o grupo de teatro “A Centelha”. O grupo tinha “nascido” ainda na Escola de Teatro do Conservatório Nacional e, naquele momento da vida do país, iniciou o processo de descentralização, tal como outros projetos teatrais.

Em Viseu, Jorge Fraga e os seus companheiros de aventura enfrentaram e afrontaram um conservadorismo caduco, sendo rotulados com os nomes de fármacos políticos que eram proibidos na dieta dos saudosistas.

Foi o primeiro grupo profissional do distrito de Viseu. Uma pedrada no charco pela ousadia do teatro que apresentavam, quebrando modelos tradicionalistas e revolucionando esteticamente pela postura perante os poderes instituídos.

Nessa altura, Alberto Lopes apoiou os ensaios do Trigo Limpo (ainda estrutura amadora) e Jorge Fraga tornou-se um militante afetivo dos espetáculos do Trigo Limpo e, a partir de 1979, das atividades da ACERT, a quem dedica verdadeiro apreço crítico.

Após “A Centelha” se ter extinguido, Jorge Fraga é o único fundador que fica nestas terras. Forma, anos mais tarde (1982), a Companhia de Teatro de Viseu com Victor Esteves, Conceição Aguiar, Vladimir Franklin e Cândida Vieira e dois “trigos limpos”, José Rui e Luís Viegas, reiniciando a atividade teatral profissional, estreando A Farsa do Mestre Pathelin, seguindo-se outras criações onde foi encenador e intérprete.

A sua atividade docente na área teatral permitiu que o ensino artístico fizesse parte, desde cedo, de uma alternativa para alunos de cursos superiores. Mas não se julgue que Jorge Fraga estacionou o seu frenesi permanente pelo teatro quando deixou de fazer parte de “grupos formais”. Sempre a saltitar por muitas cidades e projetos, junta pessoas para dar formação e deixa cordões umbili-teatrais que, muitas vezes, criam núcleos com quem cria espetáculos. Por Viseu, tem sido um permanente bicho-carpinteiro, irrequieto e irreverente.

Neste NU Palco, quem sabe se não revelará — tantos sonhos e projetos em que esteve e continua envolvido — que, por motivos emotivos, não cabe em páginas escritas e muito menos num texto como este, que só pretende demonstrar como é “acertino”.

PLANO DE CONTIGÊNCIA – COVID-19
Assista aos espetáculos em segurança!
Colabore connosco!