18 jul, 2015
SÁB
tom de festa Capicua Portugal Hip hop de verbo solto e rima afiada, sem medo de enfrentar o mundo.
18 jul, 2015
SÁB
Hip hop de verbo solto e rima afiada, sem medo de enfrentar o mundo.

tom de festa

concerto

Calendarização

18 jul
sáb
  (Novo Ciclo ACERT - Auditório Ar-Livre)

Capicua

Portugal

Cresceu com o gosto pelas palavras rimadas e encontrou no hip hop a melhor forma de se expressar. Ana Matos Fernandes nasceu no Porto e cresceu naquele Portugal que, entre os anos 80 e 90 do século que já lá vai, foi andando entre desenhos animados emblemáticos, imagens coloridas da América dos filmes e uma ou outra visita do FMI. Passadas algumas décadas, Ana Matos Fernandes passou a assinar Capicua – os desenhos animados emblemáticos regressaram aos écrãs, a América já não parece tão colorida como há uns tempos e o FMI teima nas visitas. Em 2012, o primeiro álbum, homónimo, dá a conhecer uma rapper de primeira água, com o verbo solto, o ritmo desbragado e a rima sempre afiada para intervir no mundo que a rodeia: “Ouve o que eu te digo/ Vou-te contar um segredo/ É muito lucrativo que o mundo tenha medo (…) Medo do olho da rua e do olhar do patrão/ E medo de morrer mais cedo do que a prestação”. Seguem-se Capicua Goes West, onde trabalha sobre beats de Kanye West, Sereia Louca e Medusa. Num rasgo biográfico que bem podia ser retrato de uma geração (a tal que disseram que era rasca, e que depois se confessou muito à rasca), Capicua criou “Vayorken”, a Nova Iorque de fantasia vista por uma criança portuguesa, terra dos sonhos povoada por gelados domingueiros, ginástica da Jane Fonda e sonhos dos states que se apresenta em Sereia Louca. Se outra coisa não soubermos agradecer-lhe, essa, pelo menos, ficamos a dever.

Site: http://www.capicua.pt/