Teatro de Rua Zé do Telhado Coprodução Jangada Teatro com Trigo Limpo teatro ACERT Após a estreia em Lousada a 5 e 6 de julho, será apresentado em Tondela, a 13 de julho
Após a estreia em Lousada a 5 e 6 de julho, será apresentado em Tondela, a 13 de julho

Teatro de Rua

gratuito

co-produção

Preço

Entrada gratuita

Zé do Telhado

Coprodução Jangada Teatro com Trigo Limpo teatro ACERT

Nesta aventura criativa, o Trigo Limpo teatro ACERT percorreu afetuosamente trilhos e encontros que há muito desejava abraçar.
O primeiro deles, na companhia de Zé do Telhado, herói popular que, tal como os já visitados noutros espetáculos — João Brandão e Viriato — entram numa trilogia que tem consentido incursões dramatúrgicas pela história do imaginário português, explorando narrativas teatrais que têm o fantástico e o onírico como dialéticas imaginativas que se prestam a ter a rua como palco.

Por outro lado, um texto de Hélder Costa criado para “A Barraca” em 1978, permite um sinal de gratidão da Jangada Teatro e do Trigo Limpo teatro ACERT a um dramaturgo e a um grupo que, desde há muito, fazem parte de uma certa matriz criativa e afetiva das duas companhias que se associam para criar este espetáculo. Uma matriz que nada tem a ver com seguidismo artístico, mas que advém das referências que permitiram às duas companhias encontrar caminhos próprios desafiadores, na abordagem de dramaturgias originais. José Afonso, criou músicas originais para o espetáculo de A BARRACA. Mais de 40 anos depois, a música de cena criada pelo nosso querido músico, ganha atualidade pela “gentil” voz de João Afonso, pela mestria dos arranjos e originais do maestro Romeu Silva e a interpretação da sua distinta orquestra. Tiago Sami Pereira, o nosso “Homem do Bombo” criou com o “Lousada a Rufar”, momentos percussivos populares que, teatralmente, adquirem dimensão epopeica e humorística. Todos eles, são construtores de magias e andanças desafiantes que acarinham criativa e experimentalmente esta produção.


Uma vez mais, o Trigo Limpo teatro ACERT saboreia uma aventura comum com outro grupo com quem tem uma relação de partilha. A Jangada Teatro passa a figurar no altar teatral casamenteiro, tal como aconteceu com outras companhias, Mutumbela Gogo (Moçambique), Teatrosfera, Chévere (Galiza), Teatro de Montemuro, TAS, Theater tri-bühne (Alemanha), Fundação José Saramago, Flor de Jara (Espanha), entre outros. Este espetáculo é também um tributo aos atores Faria Martins e Xico Alves e a todos os “jangadenses”, num ano em que a companhia celebra 20 anos a resistir com paixão pelo teatro, revisitando inovadoramente um texto que marcou o seu histórico.
Por último, não pode deixar de referir-se a equipa de atrizes e atores amadores que, com ao seu profissionalismo — sim, porque profissionalismo, no teatro, não indica uma relação remuneratória, mas antes a qualidade do desempenho e dedicação —, se revelaram talentosamente na construção do espetáculo.
Este “José do Telhado”, nesta versão de teatro de rua, confirma, pela grande envolvência de artistas locais com o elenco da Jangada Teatro e as equipas do Trigo Limpo teatro ACERT que o teatro continua a ser uma arte confluente de diversas linguagens e um exercício que, para ser coerente e autêntico, deve ser resultante de uma relação coletiva de partilha.
Com assaltos e sobressaltos, com solidariedades e entreajuda permanentes, com uma intenção incessante de denúncia social, com irreverência e, sobretudo, com um desejo de que o público se reveja no sonho que juntos vivenciámos, respiramos nos trilhos nortenhos de Zé do telhado, procurando ser loucos como ele.

Sermos, enfim, todos Zé do Telhado!

José Rui Martins
Trigo Limpo teatro ACERT

Ficha técnica e artística

Dramaturgia e encenação: José Rui Martins e Luiz Oliveira
Assistência de encenação: Ilda Teixeira
Interpretação: António Leite, Carla Campos, Daniel Silva, Diogo Freitas, Bel Viana, Filipe Gouveia, Luiz Oliveira, Pedro Miguel Dias, Rita Calatré, Sónia Ribeiro, Vítor Fernandes, Xico Alves
Música: José Afonso
Direção Musical: Romeu Silva e Tiago Sami Pereira
Músicos: Banda Musical de Lousada + Lousad’arrufar
Participação Especial: João Afonso
Figurinos: Cláudia Ribeiro
Cenografia: Zétavares e Pompeu José
Execução de Cenografia: Oficina das Artes Criativas - ACERT
Adereços: Sofia Silva
Assistência de cena: António Rebelo e Pedro Sousa
Desenho de Luz: Paulo Neto e Fernando Oliveira
Operação de Som: Luís Viegas e Fred Meireles
Participação interpretativa: atores de grupos de teatro de Lousada
Produção e secretariado: Alejandrina Romero, Marta Costa e Susana Morais
Desenho Gráfico: Zétavares
Fotografia e Vídeo: Maria Nunes
Assessoria de imprensa: João Arezes 
Parceria e apoio especial à produção: Câmara Municipal de Lousada